Trilha dos Abreus em Fernando de Noronha

A ilha de Fernando de Noronha é famosa por suas lindas praias, pelo surf, pelos fantásticos mergulhos e pelos diversos passeios, incluindo algumas trilhas. As trilhas são um atrativo que pode ser feito junto com qualquer outro programa de sua preferência. O meu principal programa em Fernando de Noronha é o mergulho autônomo.

Normalmente faço os mergulhos pela manhã e como o retorno ao Porto de Santo Antonio sempre acontece antes do meio dia, tenho tempo de sobra para tomar um banho, almoçar e realizar outro programa, incluindo algumas trilhas.

Em janeiro de 2017, depois de levar um grupo de mergulhadores para mais um maravilhoso live aboard a bordo do Voyager pelos naufrágios de Recife e Maceió, parti para Fernando de Noronha para mais uma série de mergulhos e alguns passeios que eu ainda não tinha feito.

A intenção quando cheguei em Noronha era fazer a trilha do Capim Açu, mas acabou que resolvi deixa-la para outra oportunidade e decidi que faria a trilha dos Abreus, super-recomendada pelos amigos da ilha.

A trilha vista no mapa

Em Noronha existem trilhas para todos os níveis de dificuldades, algumas longas e que exigem bom preparo físico e outras que são passarelas suspensas facilitando assim o acesso, inclusive dos visitantes com alguma necessidade especial. A trilha dos Abreus é uma trilha de 1200 metros com um caminho bem demarcado e com uma vista do mar de fora de tirar o fôlego, somente no final da trilha é que há uma descida bem íngreme em que o visitante terá que tomar um pouco mais de cuidado e utilizar a corda de apoio. Levei por volta de uns 30 minutos até chegar à descida íngreme, fui andando e apreciando o passeio, sem pressa!

Trilha dos Abreus / Todos os direitos reservados © Monica Di Masi
Durante a caminha é possível ver o mar de fora / Todos os direitos reservados © José Dias

Ao chegar ao final da descida há um fiscal que passa algumas informações sobre o local e os cuidados necessários, além de você ter que assinar um termo de responsabilidade e uma ficha de presença. Depois disso é só curtir as piscinas naturais e a tranquilidade.

A descida bem íngreme que o visitante terá que usar a corda de apoio /
Todos os direitos reservados ©Monica Di Masi

Eu havia planejado fazer a trilha após o meu último dia de mergulho, mas quando fui a sede do ICMBio para agendar o sistema de agendamento estava fora do ar, então foi necessário retornar no dia seguinte, tudo deu certo pois consegui agendar sem dificuldades. Fique atento, pois existe o limite máximo de 24 visitantes/dia e os guias locais costumam agendar o de várias pessoas ao mesmo tempo, portanto, insista. A trilha dos Abreus não costuma ser disputada como a do Atalaia e sua praia não possui faixa de areia.

Piscinas naturais dos Abreus / Todos os direitos reservados © Monica Di Masi

O acesso ao início da trilha, que eu utilizei e que foi informado pelo funcionário do ICMBio, foi pela estrada a esquerda da praia do Sueste, uma pequena estrada ao lado do estacionamento.

O início da trilha

Como o passeio é recomendado no horário de maré baixa, o portão da trilha só abre neste horário, no meu caso, abriria às 12 horas e eu poderia ficar até às 15 horas. Então fui um pouco mais cedo para o PIC do Sueste e fiz um lanche para aguentar até a hora tardia que iria almoçar.

Lanche no Sueste / Todos os direitos reservados © Monica Di Masi

Se você está de carro alugado ou táxi é possível chegar até bem próximo do início “oficial” da trilha, evitando alguns minutos de caminhada. Se estiver de ônibus, salte no ponto final, no Sueste, e pegue a estrada que descrevi acima. Não tem erro.

Como agendar:

Para fazer a trilha é obrigatório agendar uma data na sede do ICMBio, que fica junto ao Projeto Tamar, na Vila do Boldró. O ônibus deixa na porta.

  • O passeio é grátis e pode ser feito sem guia, mas só são permitidos 24 visitantes por dia e o horário de visitação da trilha é na maré baixa;
  • É necessário apresentar o ingresso do parque, cópia do voucher ou o número de CPF do visitante;
  • Cada visitante/condutor tem o direito de agendar no máximo 6 pessoas;
  • Agendamento realizado com até 5 dias de antecedência.
Local do agendamento na sede do ICMBio / Todos os direitos reservados © José Dias

Horários do ICMBio para o agendamento de atrativos:

Segunda a sexta-feira
Das 8h30 às 12h e das 14h às 18h

Sábados e feriados
Das 15h às 18h

Domingo
Não funciona

É obrigatório a fim de preservar as piscinas naturais:

O uso de máscara, colete salva-vidas e snorkel. Estes itens visam a proteção dos ambientes e melhor experiência do visitante.

É proibido:

  • O uso de protetor solar, repelente e outros dermo-cosméticos;
  • Usar nadadeiras, sapatilhas ou luvas;
  • Tocar o fundo das piscinas;
  • Perseguir, encurralar ou tocar os animais;
  • Interferir ou coletar materiais no ambiente natural;
  • Jogar lixo na trilha, praia ou piscina.

O que levar:

  • Vá de tênis para esta trilha, mas leve um chinelo leve na bolsa;
  • 01 litro de água;
  • Boné;
  • Roupas leves;
  • Toalha;
  • Um pequeno lanche;
  • Máquina fotográfica.

Optei por usar minha máscara e snorkel, e aluguei o colete. Você não poderá alugar o equipamento no Sueste. Eu aluguei com a indicação do pessoal da Noronha Tour, eles inclusive podem agendar os melhores passeios de Noronha, deste ilhatour até todas as trilhas. Se você não quer perder nenhum minuto em Noronha com agendamentos esta é a melhor opção.

Vida marinha nas piscinas naturais dos Abreus / Todos os direitos reservados © José Dias

No caminho de volta ao Sueste, ainda podemos observar o Açude da Pedreira.

Açude da Pedreira / Todos os direitos reservados © Monica Di Masi

A partir de março deste ano, começou o projeto intitulado o Dia do Morador. Significa que quem tiver comprovante de residência na ilha terá um dia exclusivo para desfrutar de um atrativo do parque sem precisar fazer agendamento prévio.

Nesses dias, os turistas não terão acesso ao atrativo que estiver reservado para a população local, mas poderão curtir as demais atrações. Nos demais dias da semana, serão mantidas as regras normais de visitação, sendo necessário o agendamento tanto de moradores quanto de turistas.

Calendário do projeto Dia do Morador/ICMBio
Todos os direitos reservados © Monica Di Masi

A trilha dos Abreus foi uma grata surpresa, exatamente como informado pelos amigos. Passei as 3 horas que me foram permitidas me banhando naquelas piscinas deliciosas em um lugar bonito e tranquilo.

José Dias

José Dias

Diretor de fotografia, fotógrafo, instrutor de mergulho, foto e vídeo subaquáticos. Mergulhador tech e de cavernas.
José Dias

Cuidados com sua caixa estanque

E vamos falar de caixa estanque outra vez. Desta vez, algumas dicas de como conservar a sua caixa estanque e evitar problemas.

1⇒ Após o uso, lave a sua caixa com água doce. Caso isso não seja possível, deixe-a em um tanque com água salgada a fim de evitar a formação de cristais de sal. Se não houver um tanque com água que você possa coloca-la, umedeça uma toalha com água e enrole a caixa até que seja possível lava-la com água doce;

2⇒ Use graxa de silicone com moderação. A graxa não é o que veda, quem faz isso é o o-ring. Graxa de silicone demais facilita o acúmulo de sujeira e detritos. Basta usar o suficiente para manter o o-ring lubrificado;

3⇒ Não abra a caixa sem que seja absolutamente necessário. Toda vez que você abre a caixa aumenta a chance de entrar água, areia e umidade ou alguma coisa grudar na sede do o-ring ou no próprio o-ring;

4⇒ Sempre que for abrir sua caixa, procure colocar a parte da lente para cima, isso evita que qualquer coisa caia dentro da caixa ou na câmera;

5⇒ Muito cuidado ao abrir a caixa depois do mergulho, principalmente se você estiver molhado. Cuidado com o cabelo e roupas molhadas, gotas podem causar um dano enorme se caírem na sua câmera ou nas partes eletrônicas da caixa;

6⇒ Desmonte as conexões, cabos do flash, portas, espaçador etc regularmente, especialmente onde diferentes materiais se encontram. A corrosão tem uma tendência de atacar nesses lugares;

7⇒ Use sacos de sílica para absorver a umidade e evitar o embaçamento – especialmente se você tiver uma caixa de policarbonato. Certifique-se de colocá-los onde não podem tocar nos controles;

8⇒ Remova os o-rings de vedação da caixa para guarda-la. Você não tem que removê-los após cada mergulho. Preste atenção extra se você esteve mergulhando onde há areia muito fina. Se for necessário, limpe-os;

9⇒ Não use detergentes para limpar a caixa, exceto se for específico para tal. Isso pode danificar o acabamento e retirar a graxa de silicone dos anéis de vedação, especialmente nos botões. Use água morna, se você precisar dissolver cristais de sal ou quaisquer outros resíduos;

10⇒ Verifique se a caixa está seca e livre de poeira antes de guarda-la. Deixe-a fechada para evitar que poeira ou qualquer outro tipo de sujeira entre. Troque o o-ring sempre que ele perder a sua forma original ou a qualquer outro sinal de desgaste;

11⇒ Remova as baterias da câmera e dos flashs ou do kit de iluminação quando do armazenamento. Elas podem se romper e o ácido pode causar danos irreparáveis;

12⇒ Tenha cuidado com a manutenção feita por pessoas não qualificadas. Se necessário envie seu equipamento para o fabricante ou autorizada;

13⇒ No mínimo uma vez ao ano faça uma revisão geral com a trocas de todos os o-rings e ajustes dos controles. Faça isso com o fabricante ou autorizada;

14⇒ Evite pular na água com a câmera. Sempre que possível entre na água e peça para alguém passar seu equipamento. Pancadas com o equipamento podem deslocar a câmera dentro da caixa ou até mesmo deslocar a tampa de vedação;

15⇒ Entre na água com o seu equipamento desligado e antes de liga-lo verifique se não há nenhum vazamento e se tudo está correto, isso pode evitar maiores prejuízos em caso de alagamento;

16⇒ Se sua caixa possui um grande domo tenha cuidado para não desloca-lo e causar um alagamento durante o mergulho;

17⇒ Jamais, eu disse, jamais monte sua câmera dentro da caixa na correria! Isso é fatal.

Todos os direitos reservados © José Dias
Todos os direitos reservados © José Dias

Se mesmo tomando todo o cuidado o pior acontecer:

1⇒ Respeite a velocidade de subida e paradas de descompressão, se houverem. Lembre-se que nenhum equipamento vale o seu bem estar;

2⇒ Retire as baterias o mais rápidos possível, pois o ácido contidos nelas aumenta o estrago;

3⇒ Desmonte e lave sua caixa com água doce e coloque-a para secar. Um secador de cabelos ajuda;

4⇒ Retire o cartão de memória e lave-o em água doce e deixe-o secar. Dificilmente você perderá os registros das imagens em cartões alagados;

Alguns fotógrafos/cinegrafistas aconselham lavar a câmera com água doce e deixa-la secar ou usar um secador de cabelos. Uma vez alagada poucas são as chances de salvar alguma coisa da câmera, pois a água salgada fará o que o alagamento não fez, destruirá o que sobrou.
Nunca salvei câmeras fazendo isso mas já obtive sucesso salvando um monitor de LCD de uma GoPro e pelos menos uns quatro cartões de memória de amigos utilizando este método. Cabe a você decidir o que fazer.

José Dias

José Dias

Diretor de fotografia, fotógrafo, instrutor de mergulho, foto e vídeo subaquáticos. Mergulhador tech e de cavernas.
José Dias

Caixa Estanque – Levando sua câmera para debaixo d’água

housing_h2oCaixa estanque, waterproof housing, waterproof case, estojo para gravações subaquáticas ou blimp, como é conhecida no meio televisivo, refere-se a um equipamento que protege e permite que sua câmera registre imagens debaixo d’água. A caixa estanque possui uma estrutura própria para resistir às altas pressões exercidas pela água durante um mergulho, quanto mais fundo maior esta pressão.

Existem vários modelos de caixas, tanto para câmeras fotográficas quanto para filmadoras. Diferem pelo material que são fabricadas, se possuem controles manuais ou eletrônicos, se são específicas para um determinado modelo, se possuem acessórios e se permitem a instalação de filtros e troca da porta dianteira. Seja qual for o modelo é necessário estar ciente do que cada uma oferece, seja na sua utilização, controles, praticidade, resistência e principalmente na sua manutenção.

Caixa estanque da Croma customizada com domo
Caixa estanque da Croma customizada com domo da Amphibico®

No Brasil, a linha CROMA, fabricada pela Seal Pro  é capaz de produzir caixa estanque para qualquer tipo de câmera. Suas caixas são produzidas em acrílico e oferecem um ótimo custo benefício. A Seal Pro ainda oferece a possibilidade de se customizar a caixa da maneira que o cinegrafista/fotografo necessitar.

Caixa estanque da Croma customizada
Caixa estanque da Croma customizada

As caixas de custo mais elevados são as fabricadas em alumínio, pois aguentam uma maior profundidade e tem teoricamente uma maior durabilidade. Elas podem chegar a custar mais do que o dobro da própria câmera, caso você venha a adquirir os modelos com todos os acessórios. Como regra geral as caixas de alumínio possuem um custo mais elevado e as de acrílico ou PVC possuem um menor custo.

A caixa usada para fotografar surf não serve para mergulho, pois não é feita para resistir a pressões e alguns modelos não oferecem todos os controles necessários, da mesma forma que as caixas para mergulho não são adequadas para fotografar/filmar surf.
Caixa para fotografar surf

Caixa para fotografar surf

Tamanho e peso

Talvez você ainda se lembre do que foi ensinado na escola, o Princípio de Arquimedes: Um corpo imerso num líquido, total ou parcialmente, flutua com uma força igual ao peso do líquido deslocado.  Fica fácil entender a relação tamanho e peso das caixas estanques.

Quanto maior é a caixa, mais água ela desloca e, portanto mais positiva ela será, o que acarretará na necessidade de mais lastro. O que tornará o kit mais pesado fora d’água. Um kit maior e mais pesado pode ser um problema em viagens ou em barcos que não possuem boas acomodações. Todavia, uma caixa grande embaixo d’água é mais fácil de se manter estável, sem deslocamentos indesejáveis, pois a pressão da água contra sua área suavizará os movimentos. Por outro lado, o arrasto produzido por um kit pesado é grande e não deve ser desconsiderado no planejamento do seu mergulho e do tipo de trabalho que estará realizando.

As caixas de alumínio são mais pesadas fora d’água e normalmente mais compactas, o que acarretará na necessidade de menos lastro, pois possuem uma área interna menor e portanto menos ar no seu interior, o que deixará o kit muitas vezes mais leve do que as de acrílico.

Flutuabilidade e equilíbrio

Com a câmera dentro da caixa, a flutuabilidade deve ser próxima do neutro. Uma flutuabilidade mais positiva ou negativa é uma questão de preferência pessoal. Independente da sua preferência, uma caixa não deve tender a levantar a frente ou a traseira, o que acarretará uma fadiga nos seus pulsos durante o mergulho. Se você não consegue manter confortavelmente o seu kit em suas mãos, dificilmente conseguirá ficar estável e obter boas imagens.

Equilíbrio

Kits de câmera com caixa

Alguns fabricantes de câmeras possuem caixas estanques para os seus próprios produtos/modelos, a Intova, GoPro, Canon e Sony são alguns destes. Essas caixas tem uma vantagem de possuírem todos os controles necessários para manusear sua câmera, custo reduzido e normalmente suportam profundidades de até 40 metros, o que atende a uma boa parte dos mergulhadores. Além disso, alguns modelos ainda aceitam lentes conversoras e filtros, possibilitando ótima qualidade de imagem.

Como estas caixas, na sua maioria são fabricadas para digitais compactas, todo o conjunto de câmera e caixa estanque acaba ficando com seu tamanho bem reduzido, o que é uma ótima opção para quem quer proteger sua câmera da água, areia da praia ou lama.
gopro_hero4
Este foi um dos motivos da câmera GoPro se tornar tão famosa no mercado e usada nos mais diversos segmentos.

Bolsa Estanque

Existe também no mercado bolsas/sacos estanques, mas deve-se observar que estes não possuem resistência para grandes profundidades. Estas bolsas à prova d’água possibilitam registrar imagens subaquáticas, e em alguns modelos até o movimento da objetiva zoom é permitido. Normalmente seu custo é bem baixo se comparado a uma caixa estanque, por outro lado oferece a limitação da resistência a maiores pressões. Estas bolsas são bem interessantes para serem utilizadas na praia ou sob chuva e ventania.

Ewa-Marine U-A Underwater Housing PVC laminado. Resiste até -20 m
Ewa-Marine U-A Underwater Housing
PVC laminado. Resiste até -20 m

O assunto caixa estanque é extenso, seu uso vai desde simplesmente proteger um equipamento da ação do tempo até o mais avançado uso no cinema. Hoje, graças a tecnologia e a digitalização das imagens, temos caixas para todo tipo de equipamento, facilitando bastante o trabalho de fotógrafos e cinegrafistas, bem diferente das dificuldades dos pioneiros.

Boutan (à esquerda) e suas luzes duplas. Sua câmera é vista na parte superior central.
Boutan (à esquerda) e suas luzes duplas. Sua câmera é vista na parte superior central.

História

  • Há quem credite ao inglês William Thompson a primeira foto subaquática em 1856, embora a câmera tenha se inundado e a foto não tenha saído satisfatória.
  • Em 1893 o biologista francês Louis Boutan obteve fotos subaquáticas que publicou em 1900 no seu livro La Photographie sous-marine et les progrès de la photographie. Para a tomada das fotos Boutan construiu uma caixa estanque que pesou cerca de 200 kg e usou um tempo de exposição de 30 minutos para obter fotos em chapa 5×7″.
  • Em 1927 Charles Martin e William H. Longley obtiveram a primeira fotografia subaquática a cores.
  • Em 1957 Jean De Wouters criou a câmera subaquática Calypso-Phot a pedido de Jacques-Yves Cousteau que passou a ser comercializada no ano de 1961 pela empresa La Spirotechnique. A câmera usava filmes 35mm e suportava profundidade de 50m.
  • Em 1963 a Nippon Kogaku (atualmente Nikon) lança a primeira câmera da linha Nikonos -a Nikonos I– baseada no Calypso-Phot cujos direitos adquiriu. As câmeras Nikonos (também conhecida como Calypso-Nikkor) sucederam-se até 1980, quando foram substituídas por câmeras automatizadas. A linha Nikonos sofreu descontinuidade em 1996.

Artigo publicado originalmente em 2012, atualizado em 2015

José Dias

José Dias

Diretor de fotografia, fotógrafo, instrutor de mergulho, foto e vídeo subaquáticos. Mergulhador tech e de cavernas.
José Dias


Live-aboard no Catamarã Atlantis Voyager – 2010

Pelo quarto ano consecutivo e a pedidos de vários mergulhadores organizamos mais uma expedição pelos melhores naufrágios do nordeste brasileiro, a bordo do catamarã Voyager, um catamarã de 60 pés com toda a infra estrutura necessária para um live-aboard seguro e confortável.

voyager-supO embarque aconteceu no dia 9 de janeiro de 2010, na base da Aquáticos/Atlantis em Recife, que também está totalmente equipada, inclusive para mergulhos técnicos, fazendo suas saídas com o belo e espaçoso catamarã Galileu.

img_4561 img_4503Nossa aventura de 7 dias foi organizada pelo cinegrafista subaquático José Dias com o apoio da Atlantis. Nosso objetivo como sempre era de mergulhar nos naufrágios de Recife (PE) à Maceió (AL) e conhecer o novo naufrágio do rebocador Walsa, afundado propositalmente pela AEMPE – Associação das Empresas de Mergulho do Estado de Pernambuco, juntamente com a empresa Wilson, sons em parceria com as universidades UFPE e UFRPE.

Para conhecer a história do Walsa e de todos os naufrágios que visitamos, vá ao site do biólogo e pesquisador de naufrágios Maurício Carvalho em Naufrágios do Brasil.

Após a montagem dos equipamentos, Nico, o responsável pela operação realizou o briefing para todos os mergulhadores.

briffingDia 10 – Primeiro dia de mergulho, depois de um ótimo café da manhã, zarpamos para o primeiro mergulho do dia, nada mais nada menos do que o Vapor Bahia. Sem dúvida um dos naufrágios mais bonitos do Brasil. De tão bom fizemos dois mergulhos no mesmo dia.

rap1741 Para fechar o nosso primeiro dia com chave de ouro, fizemos nosso terceiro mergulho, logo após um almoço dos Deuses, preparado pelo Chef Cícero, no Pirapama. Onde o fotógrafo Roberto Palmer pode registrar as tartarugas que fazem a festa dos mergulhadores.

O Pirapama está localizado a 6 milhas da costa, entre Olinda e Recife e é frequentemente visitado pelas operadoras de Recife. Contudo, nos mergulhos que fizemos, tivemos o privilégio de ter esse naufrágio só para nós.

pirapama1 pirapama2jpgO mergulhador Adair Ribeiro realizou o primeiro dia de mergulho com o rebreather Optima, fabricado pela Dive Rite. Infelizmente no último mergulho do dia, ao chegar à superfície foi verificado que o backplate de “plástico” estava quebrado. O backplate é a peça básica onde são fixados todos os outros itens. Para tristeza de Adair, não houve a possibilidade da Dive Rite enviar um novo backplate, este de alumínio, para Recife. Mas com o auxílio do Nico, rapidamente um setup de duplas AL80 foi disponibilizado para o restante da viagem.

Dia 11 – Acordamos cedo e ansiosos para conhecer o Walsa, um reborcador que repousa em posição de navegação aos 40 metros de profundidade. O naufrágio está inteiro, ainda com pouca vida devido ao pouco tempo no fundo, desde 28/05/2009. Ainda é possível ver o nome do rebocador Walsa no costado e na popa. O Walsa é mais uma bela opção para o mergulho técnico.

walsa1_pm walsa2O segundo mergulho do dia foi no naufrágio conhecido como Chata de Noronha. Segundo o que é relatado, esta chata fazia transporte de material entre recife e a Ilha de Fernando de Noronha e que teria naufragado durante uma forte tempestade.

chata2_pm chata1 Após o almoço, realizamos um mergulho no Vapor de Baixo.

vapor5_pm vapor3_pm

Aproveitamos que ainda estávamos ancorados na base da Aquáticos e antes do jantar fomos passear por Recife. Compramos algumas lembranças para familiares, baterias e pilhas e visitar o Shopping Center Paço Alfândega.

Dia 12 – Depois de prepararmos as misturas de trimix e separarmos as stages para descompressão, partimos em direção ao Vapor dos 48. Este naufrágio, também desconhecido é assim denominado devido a sua profundidade e não por ser seu nome real.

Neste mergulho, pegamos uma leve correnteza, a única em toda a viagem, mas que não impossibilitou em nada desfrutar deste ótimo naufrágio.

Como este mergulho é profundo e no dia seguinte teríamos outro mergulho, ainda mais profundo, fizemos um intervalo de superfície bem longo e finalizamos o dia com um mergulho ao cair da noite no Pirapama.

No retorno, preparamos novas misturas e stages para o naufrágio mais esperado e um dos melhores de Recife, a Corveta Camaquã.

Dia 13 – Eu e o Adair já havíamos feitos alguns mergulhos na corveta, mas confesso que nunca havíamos pego uma condição de mar tão perfeita. A estratégia do Nico em chegarmos ao ponto de mergulho no momento correto do estofo da maré foi perfeita. Nenhuma correnteza, uma visibilidade de 40 metros e uma água por volta de 28º, possibilitou, o que eu considero um dos melhores mergulhos que realizamos naquele naufrágio. A Corveta Camaquã está em uma profundidade de 55 metros e foi possível mesmo nesta profundidade, ver a proa do hélice. Melhor condição impossível!

camaqua camaqua1 Como o retorno à Recife foi cedo, fomos “esticar as pernas” em Olinda.

Dia 14 – O primeiro mergulho do dia foi o rebocador Marte (1998). Este naufrágio artificial está inteiro. Localizado em Serrambi possui bastante vida e é diversão garantida.

Para completar o dia realizamos dois mergulhos no naufrágio do Gonçalo Coelho. Originalmente um navio de desembarque de carros de combate LST (Landing Ship Tank), depois, durante alguns anos realizou o transporte de carga entre Recife e a Ilha de Fernando de Noronha, até que em 1999 afundou próximo ao Marte.

marte gcoelhoLogo após mais um maravilhoso jantar, partimos em direção a Maceió (AL). Uma das noites mais estreladas que me recordo de ter visto.

A previsão era de navegarmos a noite inteira para estarmos no local do nosso próximo mergulho às 7 horas da manhã.

Dia 15 – Navegamos a noite inteira e as 7 da manhã em ponto estávamos sobre o Navelloyde Nº4, conhecido como Sequipe, que só teve sua identificação confirmada em 2007, pelo pesquisador de naufrágios Maurício Carvalho durante a Expedição de 2007. Este naufrágio encontra-se inteiro a 30 metros de profundidade. Possui um enorme guincho sobre seu casco onde vários cardumes costumam se abrigar.

sequipe1_pm sequipe2_pmApós um belo lanche durante intervalo de superfície zarpamos para mais um mergulho, este no naufrágio do Draguinha. O Draguinha é na realidade a Draga Nº 9, que também foi identificada em 2006 pelo pesquisador Maurício Carvalho.

Depois de um ótimo almoço preparado pelo Chef Cícero, partimos para mergulhar no André Rebouças, conhecido como Dragão.

drag4_pm drag2_pm drag3_pmDurante a navegação para Barra de São Miguel, onde a Atlantis possui sua base, o Adair, moderador do fórum ScubaBR sorteou alguns brindes. Anotamos os nomes de todos os participantes, inclusive da tripulação e chamamos o Nico para sortear os ganhadores. Ele avisou de ante mão: Eu sempre tiro o meu nome. Ninguém acreditou. A foto está abaixo para comprovar.

sorteio1 sorteio2

Para não corrermos o risco com o Nico, chamamos para o segundo sorteio o chef Cícero, o que não adiantou nada. Tirou o próprio nome! A sorte da tripulação só foi quebrada após mestre Djalma ter sorteado o Paulo Menezes.

Os brindes foram:
T-Shirt ScubaBR – Nico e Paulo Menezes;
Mini-ferramentas – Cícero.

Depois de uma noite navegando e três mergulhos maravilhosos nas águas calmas e quentes de Alagoas, fomos dar uma volta em Barra de São Miguel. Pelo sorriso estampado no rosto de todos, percebe-se que a noite foi divertida.

recife126

Dia 16 – Os dois mergulhos do último dia seriam no Itapagé. Naufrágio com 120 metros de comprimento e que merece muitos mergulhos. Sempre repleto de vida para diversão dos fotógrafos e cinegrafistas.

O Itapagé. é um dos mais belos naufrágios de Alagoas e sua história nos remete a 2º Guerra Mundial, quando foi atingido por dois torpedos lançados pelo U-Boat U-161, afundando na altura da Lagoa Azeda.

itapage1 itapage2 itapage4 itapage5 banho2 ita_pmÉ possível ver várias peças dos caminhões que o navio carregava e muita louça, inclusive uma enorme variedade de garrafas. Os motores a diesel, com 6 metros de altura merecem atenção especial, logo ao lado é possível encontrar máquinas a vapor.

Para finalizar nossa expedição, mestre Djalma nos brindou com um atum fresquinho, que ele mesmo pescou durante a navegação. E como não podia ser diferente, o Chef Cícero, mais uma vez nos surpreendeu.

sashimi ciceroturma_4754E assim finalizamos com chave de ouro nosso live-aboard. Todos felizes com os mergulhos, acomodações, atendimento, segurança, novas amizades e a certeza de que no próximo ano estaremos lá novamente!

TRIPULAÇÃO: Nico, Djalma, Juan, Cícero e Rodrigues.
MERGULHADORES: Adair Ribeiro (São Paulo), Alexandre e José Antonio Alvares (Cuiabá), Rafael, Daniel e Alberto Oda (São Paulo), Paulo Menezes e José Dias (Rio de Janeiro) e Roberto Palmer (Brasília).

José Dias

José Dias

Diretor de fotografia, fotógrafo, instrutor de mergulho, foto e vídeo subaquáticos. Mergulhador tech e de cavernas.
José Dias

Live-aboard no Catamarã Atlantis Enterprise

Pelo terceiro ano consecutivo mergulhamos pelos naufrágios e por alguns outros pontos interessantes do nordeste brasileiro. Em 2008 e 2009, essa aventura aconteceu a bordo do confortabilíssimo Catamarã Enterprise.

Em 10 de janeiro de 2009, sob o calor de Recife embarcamos em uma viagem de 7 dias organizada pelo cinegrafista subaquático José Dias com o apoio da Atlantis. Nosso objetivo: mergulhar nos naufrágios de Recife (PE) e Maceió (AL), muita descontração e alegria. Além do 1º Curso de Vídeo Sub a bordo do Enterprise.

O ponto de encontro dos 10 mergulhadores foi o Porto de Recife, no Marco Zero. Vindos dos Estados de Minas Gerais, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e São Paulo nosso grupo foi recebido pelos 7 tripulantes altamente qualificados da bela embarcação.

Como de costume, montamos os equipamentos de mergulho no fim do dia, logo após o briefing e o cocktail de boas vindas.

No primeiro dia de mergulho partimos ainda cedo, logo após o café da manhã e às 10:00 horas já estávamos na água mergulhando no Reboque Flórida.

Florida-(9)Depois de um pequeno lanche para acompanhar o intervalo de superfície, estávamos pronto para o segundo mergulho do dia, Servemar I.

Depois de um ótimo almoço, preparado pelo Chef Ítalo Sales e de um bom descanso, fomos para o nosso terceiro mergulho do dia no Vapor de Baixo.

Com uma água com mais de 20 metros de visibilidade e 27º de temperatura, fizemos um mergulho de 45 minutos neste naufrágio, que embora pequeno, oferece a rara possibilidade de se observar um vapor com as suas duas rodas de propulsão ainda na posição de uso.

Vapor-de-Baixo-1o-(33) Servemar-(6)Acordamos cedo para o nosso segundo dia de mergulho, que começaria no Vapor Bahia. O Bahia dispensa qualquer comentário, um dos naufrágios mais bonitos e curiosos, principalmente pela sua trágica história de colisão com o Pirapama. Realizamos dois mergulhos com aproximadamente 60 minutos cada.

Vapor-Bahia-1o-(4) Vapor-Bahia-1o Vapor-Bahia-1o-(3)

Depois de um magnífico almoço e um bom descanso partimos em direção ao Porto de Recife. No caminho, ao cair da tarde, um mergulho no Pirapama.

O Pirapama está localizado a 6 milhas da costa, entre Olinda e Recife e é frequentemente visitado pelas operadoras de Recife. Contudo, nos mergulhos que fizemos, tivemos o privilégio de ter esse naufrágio só para nós.

Depois de ancorarmos no Porto de Recife para o pernoite e de nos deliciarmos com o jantar, o grupo se espalhou por passeios em Recife. Todos retornaram cedo ao Enterprise, pois no dia seguinte começariam os mergulhos mais profundos e um bom descanso com uma boa noite de sono cairia muito bem.

Acordamos e tomamos nosso café da manhã partindo para o Vapor dos 48. Este vapor é assim denominado devido a sua profundidade e não por ser seu nome real. Como vários naufrágios de Recife, sua origem também é desconhecida.

Vapor-dos-48-(31)No Vapor dos 48 foram usadas misturas gasosas para garantir a segurança e podermos desfrutar ao máximo este lindo naufrágio.

No retorno, fizemos um segundo mergulho no Vapor de Baixo.

Seguindo com os mergulhos profundos, chegou a hora do naufrágio mais esperado e um dos melhores de Recife. A Corveta Camaquã

A Corveta Camaquã foi ao fundo devido às péssimas condições de mar. Hoje, as cargas de profundidade usadas para combater os submarinos do eixo na 2ª Guerra Mundial estão espalhadas pelo fundo próximo da popa e continuam intactas.

A Corveta Camaquã está a 55 metros de profundidade apoiada no fundo de areia pelo bordo de boreste. Seu estado de conservação é perfeito, embora as chapas internas já estejam bastantes fragilizadas.

Depois de um mergulho profundo realizado com absoluto sucesso, só nos restava retornar a Recife para o pernoite. Isso seria o normal em qualquer operação de mergulho, mas não no Enterprise. Encerrarmos o dia com mais um mergulho no maravilhoso Pirapama.

Nossa estada em Recife estava chegando ao fim e, portanto, resolvemos encerrar o dia visitando Olinda.

Na manhã seguinte, ainda muito cedo partimos para Serrambi para mergulharmos no Rebocador Marte. O Marte é um naufrágio artificial criado em 1998.

Marte-(16) Marte-(17)

Saimos do Marte para realizarmos dois mergulhos no naufrágio do Gonçalo Coelho.

O Gonçalo Coelho era um navio de desembarque de carros de combate LST (Landing Ship Tank). Após a 2ª Guerra Mundial foi reformado para outros serviços. Fez durante alguns anos o transporte de carga entre Recife e Fernando de Noronha. Com o intuito de servir de recife artificial foi afundado em 1999.

Goncalo-Coelho-2o-(16)

Depois de dois maravilhosos mergulhos no Gonçalo Coelho, zarpamos em direção a Alagoas. Nossa navegação duraria a noite toda e a previsão era de que no dia seguinte, amanhecêssemos em cima do naufrágio do Dragão – André Rebouças.

102_0284 102_0272

Embora tenha naufragado em 1927, este naufrágio só foi identificado em janeiro de 2006, pelo pesquisador e biólogo Maurício Carvalho, na expedição a bordo do Catamarã Voyager. O nome correto deste naufrágio é André Rebouças.

Depois de uma hora de mergulho e um lanche para acompanhar o intervalo de superfície, partimos para o segundo mergulho do dia no Draguinha. O Draguinha é na realidade a Draga Nº 9. Foi identificada também em 2006 pelo pesquisador Maurício Carvalho. O tempo em Alagoas estava nublado e com uma chuva fina, mas o mar estava totalmente parado.

Nosso terceiro mergulho do dia foi no naufrágio do Sequipe, uma chata cujo nome correto é Novelloyde Nº 4. Este naufrágio encontra-se inteiro a 30 metros de profundidade. Possui um enorme guincho sobre seu casco onde vários cardumes costumam se abrigar.

Nosso último dia de mergulho! Para fecharmos com chave de ouro, 120 metros de naufrágio. O Itapagé é um dos mais belos naufrágios de Alagoas e sua história nos remete a 2º Guerra Mundial, quando foi atingido por dois torpedos lançados pelo U-Boat U-161, afundando na altura da Lagoa Azeda.

Itapage-1o-(10) Itapage-1o-(13) Itapage-1o-(44)

É possível ver várias peças dos caminhões que o navio carregava e muita louça, inclusive uma enorme variedade de garrafas. Os motores a diesel, com 6 metros de altura merecem atenção especial, logo ao lado é possível encontrar máquinas a vapor.

Enterprise_2009-072TRIPULAÇÃO: Nico, Djalma, Jacson, Bruno Noronha, Ítalo, Luciana e Edilka.
MERGULHADORES:
Adair Ribeiro, Carlos Augusto Bruno, Cláudio Couto, Consuelo Magalhães, Renzo Martins, Eduardo Tellechea, Pedro Máximo, Vivian Szterling, Maurício Carvalho e Jose Dias.

José Dias

José Dias

Diretor de fotografia, fotógrafo, instrutor de mergulho, foto e vídeo subaquáticos. Mergulhador tech e de cavernas.
José Dias